Percentual de alunos negros nas universidades dobra em 10 anos

Dados colocados em escala crescente apontaram um crescimento considerável de jovens negros em instituições do ensino superior. Esse percentual é proveniente de algumas medidas tomadas para que as políticas educacionais abrangessem igualmente diferentes públicos. Mas o que realmente justifica esses números e o que eles representam para a nossa sociedade?

Para entender o fato do número de alunos negros terem dobrado na universidade, é preciso antes falar das políticas educacionais que impulsionaram esse resultado.

Vamos começar falando sobre o Encceja, um programa que proporciona certificado de conclusão do ensino básico para jovens e adultos. A inciativa foi criada para auxiliar aquelas pessoas que não haviam conseguido terminar a escola.

A partir de uma avaliação, dividida entre ensino fundamental e ensino médio, além de uma prova de redação, os estudantes podem conquistar um certificado válido de conclusão do ensino básico.

A inciativa se tornou popular e a expectativa é que o Encceja 2020 melhore ainda mais os números de pessoas que tiveram os seus estudos interrompidos.

Mas o que o Encceja tem a ver com os índices mencionados?

Uma vez que o maior número de negros é registrado no país como renda média ou baixa, e na maioria dos casos, esse mesmo público precisa sair da escola para começar a trabalhar a fim de ajudar a família, uma Encceja deu uma oportunidade para que quem se encontrava na situação pudesse mudar de vida.

Isso porque com o Encceja, o estudante pode participar do Exame Nacional do Ensino Médio e ingressar na universidade. Assim, mais pessoas de diferentes classes sociais podem estar se formando.

Agora que você já compreendeu os processos para chegar até o Enem, vamos falar sobre as medidas tomadas para que mais estudantes negros pudessem estar ocupando a universidade pública e boas instituições privadas.

Quem vai participar do Enem 2020irá se deparar com a possibilidade de se inscrever nos programas Sistema de Seleção Unificada (SISU) e o Programa Universidade Para Todos (Prouni) em algumas modalidades de concorrência.

Essas modalidades são: ampla concorrência e cotas. As cotas são medidas tomadas para que pessoas de diferentes classes sociais, raças e realidades pudessem disputar igualmente por uma vaga na universidade

Desde 2004, na criação do sistema de cotas, o percentual de pessoas negras dentro das instituições foi crescendo. Um ano depois da instalação das cotas, somente 5,5% dos jovens negros e pardos estavam preenchendo as vagas.

A partir daí, os números foram se tornando cada vez mais satisfatórios e hoje, o número do público alvo de cotas dentro das universidades dobrou, permitindo que a longo prazo você possa encontrar pessoas negras e pardas ocupando mais cargos.